Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Quinhentos metros de estrada esburacada causam muitas reclamações aos utilizadores

O mau estado de um pequeno troço da estrada nacional 351, que liga Envendos à localidade de Ladeira, no concelho de Mação, tem vindo a motivar protestos por parte dos utilizadores, na sua maioria habitantes ou operários da fábrica de engarrafamento de água Sete Fontes. O troço que serve a unidade fabril recebe diariamente uma média de 10 camiões para carregamento de água. Um número que irá aumentar substancialmente devido às ampliações que a mesma está a receber.

17853.jpg


“Para além da vergonha que é para a terra e concelho, não se tolera que não haja ninguém que olhe por aquele pedaço de estrada que ainda pode trazer muita dor de cabeça em matéria de acidentes e de deterioração dos nossos veículos”, explica um dos operários da fábrica de água, descontente com a situação que se arrasta há vários anos. O estado do pavimento obriga os condutores a saírem da sua faixa de rodagem para se desviarem dos buracos numa zona de pouca visibilidade devido às curvas.

As queixas sucedem-se, gerando-se controvérsia sempre que a estrada é alvo de reparações que “não resolvem absolutamente nada” referem vários populares, salientando que apenas “chamam ainda mais a atenção com este tipo de atitudes”. O MIRANTE contactou Saldanha Rocha, presidente da Câmara de Mação, tendo este justificado que tratando-se de um troço sob responsabilidade da Estradas de Portugal (EP) pouco pode fazer, para além das insistentes chamadas de atenção que tem feito ao director de Estradas de Santarém.

“Da nossa parte têm sido feitos todos os esforços e pressões junto da EP para melhorar. Em Dezembro foi-nos dito que existiria uma réstia de um orçamento facilitando a falta de verbas adiantada pela entidade” explica o autarca, avançando que está em projecto uma nova variante em Envendos que ligará a A23 a Estremoz, estudada para beneficiar a localidade de Ladeira e melhorar os acessos à unidade fabril em causa.

Alcindo Cordeiro, director de Estradas de Santarém, foi contactado pelo nosso jornal mas não adiantou nada relativamente à situação, embora admitisse saber do que se trata. As últimas intervenções que foram feitas no pavimento ocorreram há cerca de dois meses, mas em nada resolveram a situação.

Tirado do Jornal O Mirante
publicado por Bocas-Verdes às 11:06
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008

Vila de Rei rejeita reordenamento do serviço de urgências

A Câmara Municipal de Vila de Rei anunciou hoje que rejeita a intenção do Governo em agrupar as urgências dos concelhos do Pinhal (Oleiros, Sertã, Mação, Proença-a-Nova e Vila de Rei) na Sertã.

centro de portugal vila de rei.jpg

A presidente de Câmara de Vila de Rei, Irene Barata, disse à Agência Lusa que «seria péssimo» que aquele projecto se concretizasse, sublinhando que discorda «em absoluto» com a medida, uma vez que as urgências do concelho já são reencaminhadas para o Hospital Distrital de Abrantes.

«Pretendemos que esta situação se mantenha, até porque ir para a Sertã não é uma mais valia para a nossa população», disse Irene Barata.

«Temos três hospitais de excelência na região do Médio Tejo e toda a nossa vida se desenvolve no sentido de Abrantes, de que estamos separados apenas por 15 minutos».

Segundo a autarca «o Centro de Saúde da Sertã nunca poderá oferecer um serviço da mesma qualidade do do hospital de Abrantes, uma vez que está mais longe, está menos equipado e não tem as valências de um Hospital Distrital».

«Não aceitamos, não compreendemos e vamos estar atentos», afirmou Irene Barata, acrescentando ter já solicitado audiências ao presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo e à Sub-Região de Saúde de Castelo Branco.

Também a Câmara de Mação já reclamou um regime de excepção relativamente à proposta de reordenamento dos Centros de Saúde, que prevê o desvio da unidade local para a Sertã.

O vice-presidente da Câmara, José António Almeida, disse à Agência Lusa que «uma decisão nesse sentido significava prestar um mau serviço à população».

«Vamos lutar com todas as forças para que Mação mantenha um regime de excepção em termos de tratamento de saúde, porque o nosso hospital de referência é o de Abrantes, bem como os restantes do Centro Hospitalar do Médio Tejo», acrescentou José António Almeida.

Diário Digital / Lusa

15-01-2008 14:51:44
publicado por Bocas-Verdes às 11:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 12 de Janeiro de 2008

Irene Barata queixa-se que Governo não assume compromissos

irenebarata_1.jpg
Escrito por P.M.
08-Jan-2008
Vila de Rei

A Presidente da Câmara Municipal de Vila de Rei, Irene Barata, refere que a Câmara realizou ultimamente diversas candidaturas a fundos comunitários para a concretização de projectos que constituem, cada um deles, uma mais-valia para o concelho. “Contudo, é do conhecimento de todos que os regulamentos do QREN estão a sair a conta-gotas, razão pela qual, estando o processo atrasado, ainda não foi possível elaborarmos candidaturas a este novo quadro comunitário de apoio”, informa, salientando que apenas foi possível entregar uma candidatura ao Programa LIFE+, instrumento financeiro de apoio que não está incluído no QREN, para o projecto de sensoriamento da floresta, cujo montante elegível ascende a cerca de 3 milhões de euros.

Assim, “vamos vivendo, com cada vez mais constrangimentos de ordem financeira, fruto das opções do Governo. Tentamos fazer aquilo que nos é possível, tendo por base uma gestão eficiente e eficaz dos recursos de que dispomos em prol do desenvolvimento do nosso Concelho”, frisa.

A construção do quartel da GNR ainda não tem data para avançar. Chegou a ser assinado um protocolo (contrato-programa) com o ministério da Administração Interna. Com a entrada deste Governo a verba foi retirada do PIDDAC. Agora, depois de muita insistência voltou a ser colocada, com a atribuição de uma verba. O terreno e o projecto estão devidamente aprovados, falta o governo dizer para avançar. Mas a autarca de Vila de Rei esclarece que, mesmo tendo o contrato-programa assinado e tudo em ordem, a obra não pode prosseguir.

No caso da construção da Biblioteca Municipal também foi assinado um contrato-programa, ainda no Governo PSD, mas ainda não chegaram as verbas. Assim, Irene Barata queixa-se que este Governo não cumpre os compromissos do executivo anterior.

O concelho de Vila de Rei pode receber uma clínica de geriatria. Há um privado que decidiu investir nesta área. No fundo, como explica Irene Barata, será um lar igual aos outros, mas de luxo. Este investimento vai criar muitos postos de trabalho e atrair pessoas qualificadas e mão-de-obra especializada. Cada utente pode pagar cerca de 1500 euros por mês.

Irene Barata explicou que o Concelho optou por instalar serviços ligados ao apoio a idosos. Dentro do próximo QREN foi preciso escolher determinadas linhas de orientação. No Pinhal Interior Sul terá que haver um conjunto de projectos. Cada Concelho optou por uma área diferente dos outros. Vila de Rei decidiu apostar no cuidado aos idosos, pois já possui um passado significativo nesta área, com vários lares criados.
publicado por Bocas-Verdes às 15:19
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

MUNICÍPIOS NATUREZA E TEJO

Naturtejo integra mais cinco municípios A Associação de Municípios Natureza e Tejo, que é composta pelos seis municípios que compõem a Naturtejo, conta com mais cinco elementos. É que além de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Nisa, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão, os seis municípios iniciais, desde final do ano passado também passou a integrar os municípios de Castelo de Vide, Gavião, Mação, Marvão e Por-talegre. A entrada dos cinco municípios foi aprovada numa Assembleia-Geral da Associação de Municípios Natureza e Tejo realizada no final de 2007, fazendo com que passe a ser constituída por um total de 11 concelhos. Para o presidente da Naturtejo, Armindo Jacinto, este é um passo importante, porque "consolida este território e consolida o Alto Alentejo", ou seja, "consolida a Naturtejo no Centro e no Alto Alentejo". Confrontado com a possibilidade da entrada de novos municípios, Armindo Jacinto realça que "não somos nenhum clube fechado", para adiantar que, "neste momento, não temos mais nenhuma proposta oficial", revelando, no entanto, que "há intenções de outras câmaras que manifestaram interesse", não só no território nacional, mas "também da parte espanhola, vizinha a este território".

publicado por Bocas-Verdes às 14:48
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30


.posts recentes

. Como pode ser um País gov...

. Os políticos Portugueses ...

. "VELHO DITADO" CADA PAÍS...

. CHAVEIRA DE CARDIGOS CONV...

. TENHO SAUDADES DA MINHA T...

. Região do eucaliptal"

. Quinhentos metros de estr...

. Vila de Rei rejeita reord...

. Irene Barata queixa-se qu...

. MUNICÍPIOS NATUREZA E TEJ...

.arquivos

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds