Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

MAÇÃO, com uma área de 400,0 km2, 7 763 habitantes e 8 freguesias, é um dos 21 municípios distrito d

Este Concelho tem o nome para o qual tem sido apontadas várias origens etimológicas. Toda esta região ligada fisicamente à Beira Baixa, remonta ao período do Paleolítico, na Pré-história, era da qual se encontram muitos vestígios.
A Região da Beira é tida como uma região erma, cujo despovoamento se terá dado entre a invasão árabe e o início da primeira dinastia, mas existem inúmeros vestígios romanos, levando a crer que este império tenha dominado a região nos pimeiros séculos da nacionalidade.

A Rainha Santa Isabel outorgou-lhe o 1º foral, em data indeterminada.
O 2º foral foi-lhe concedido por D. Pedro I em 15 de Novembro de 1355.
No reinado de D. João III foi passada carta de aforamento de uma das terras no termo da Vila de Mação a João Alves Castelhano.
Já no começo do séc. XVIII era sede do Cabeção das Cizas, das cinco Vilas: Mação, Amêndoa, Carvoeiro, Envendos e Belver.
A Vila de Mação foi quartel-general dos exércitos portugueses e ingleses comandados pelo Marechal Inglês Conde Lippe em 1762 onde estiveram aquartelados cerca de 15000 soldados.

Em 1807, Mação foi pilhado pelos franceses durante a primeira invasão Napoleónica no nosso país. Com a constituição surgem as lutas entre Liberais e Miguelistas que tomaram grande dimensão neste concelho.
Em 1834 foram extintos os Concelhos de Belver, Envendos e Carvoeiro sendo incorporados em Mação.

Em 1867 o Concelho de Mação foi suprimido e passou a pertencer ao de Proença-a-Nova até 10 de janeiro de 1868 data em que foi restaurado.
Em 1930 foi aprovado o Brasão após estudo do arqueólogo Afonso de Ornelas.

O Concelho de Mação é bastante rico em vestígios arqueológicos que se encontram espalhados um pouco por toda a região.
Achados do Paleolítico foram encontrados sobretudo junto à Ribeira das Boas Eiras, mas recentemente foram descobertas algumas gravuras rupestres junto à Ribeira da Ocreza, entre elas a representação de um equídeo (cavalo), o primeiro achado de arte paleolítica ao ar livre no sul de Portugal, que segundo os especialistas terá mais de 20.000 anos.



Das inúmeras antas existentes no Concelho, apenas uma se encontra de pé, a Anta da Foz do Rio Frio, na freguesia da Ortiga. Dois castros no Concelho merecem uma visita: O Castelo Velho do Caratão, da Idade do Bronze, situado numa serra entre as ribeiras de Eiras, do Aziral e do Caratão, próximo da aldeia que lhe dá o nome, e o Castro de São Miguel, da Idade do Ferro, situado na Serra de S. Miguel na Amêndoa, ambos monumentos classificados.

Do período romano podem ser visitadas as várias pontes que se espalham um pouco por todo o Concelho, entre elas a Ponte da Ladeira (Envendos), a maior, com seis arcos de volta perfeita e proporções diferentes, a Ponte da Isna, apenas com três arcos, e a Estação Arqueológica Romana do Vale do Junco (Ortiga), monumentos classificados.

PAISAGEM
Entre as serras mais importantes no Concelho distinguem-se o Bando dos Santos e o Bando de Codes, no cento do Concelho, de onde se desfruta de uma bela e grandiosa paisagem; a norte podemos encontrar a Serra de St.º António, a Serra da Amêndoa, Serra da Galega e Serra das Águas Quentes; e no sul do Concelho existem as Serras da Alfeijoeira, a Serra do Casal e a Serra do Moledo. A rede hidrográfica da região é extremamente vasta e além do Rio Tejo distribuem-se por todo o Concelho dezenas de nascentes e ribeiras, entre elas, a Ribeira de Eiras, a Ribeira do Coadouro ou das Boas Eiras, a Ribeira da Pracana, a Ribeira da Ocreza e a Ribeira do Bostelim.

FLORA E FAUNA
O Concelho de Mação está inserido numa zona essencialmente de pinhal, onde se podem encontrar densos bosques de pinheiro bravo, mas onde o eucalipto, o sobreiro, a azinheira, a oliveira e o castanheiro também têm uma presença significativa. Árvores de fruto como a figueira, a laranjeira, a tangerineira, o limoeiro, o pessegueiro, a pereira e a macieira dominam as hortas e quintais das gentes do campo que até há bem pouco tempo viviam substancialmente da agricultura. Os cabeços e conheiras estão densamente povoados por arbustos e plantas silvestres, como o tojo, a urze, a carqueja, o zimbro, o medronheiro, a esteva e a giesta e ervas aromáticas como o tomilho, o rosmaninho, o poejo, o orégão e a erva cidreira encontram-se um pouco por todo o lado. As aves que encontram em Mação, o seu habitat ideal, são a águia, o milhafre, a perdiz, o corvo, o tentilhão, o rouxinol, o melro e a cotovia. Nas serras mais isoladas pode encontrar a raposa, o texugo e o tourão, a lebre e o coelho. A abelha não foi esquecida e é de tal modo importante por ser uma das bases económicas do Concelho que até figura no Brasão Municipal.



As actividades económicas estão repartidas entre os três sectores tendo-se verificando na última década uma perda muito significativa de população do sector primário, para os sectores secundário e terciário.
Em muitas aldeias a vida ainda se processa em torno de actividades tradicionais como a agricultura e a pecuária porém, o concelho tem visto o florescimento de algumas indústrias como a dos enchidos e transformação de carnes que têm desempenhado um papel de relevo e projecção na economia do Concelho. A construção civil, a indústria de velas e artigos em cera e a indústria de serração de madeiras têm visto também algum desenvolvimento.

A gastronomia do Concelho é bastante variada. De entre os diversos e apreciados pratos tradicionais, salienta-se os enchidos e o presunto fazendo as delícias dos apreciadores mais exigentes, de notar que o concelho de Mação produz cerca de 70% do presunto nacional.
Como entradas, então, nada melhor que provar as azeitonas, o presunto, enchidos frios e o queijo de cabra e de ovelha, todos produtos locais de grande qualidade. Os pratos de carne incluem o Cabrito Assado em forno a lenha à moda de Mação, o Feijão de Matança e o Bucho Recheado. Contemplando a estreita relação com o rio temos o Arroz de Lampreia, o Sável na Telha, o Achigã Grelhado, a Sopa à Pescador e o Ensopado de Saboga e o Ensopado de Enguia , que se podem encontrar em restaurantes da especialidade na zona da barragem de Ortiga. Como acompanhamentos nada melhor que Migas e um bom vinho. No que respeita à doçaria não devem ser esquecidas as Tijeladas de Cardigos, o Mel, o Bolo dos Santos, as Fofas de Mação (Cavacas) e os Torrados.

As actividades artesanais no Concelho de Mação continuam a ser perpetuadas pelas mãos de hábeis artesãos.
Assim, um pouco por toda a nossa região podemos encontrar trabalhos tanto em olaria como em latoaria (Mação), as albardas e correias (Mação), os trabalhos em esparto e arame, as rendas e bordados (Mação), a tecelagem em fios de algodão, lã e linho (Cardigos), as mantas tecidas em teares manuais (Ortiga), os brinquedos de madeira (Aboboreira) e a manufactura de barcos e redes de pesca (Ortiga).

Durante todo o ano ocorrem em Mação várias festas e feiras.

As principais feiras no Concelho são a Feira dos Ramos, que ocorre sempre no Domingo de Ramos, a Feira dos Santos, uma feira bicentenária e com muita tradição, sempre a 1 e 2 de Novembro e a Feira de Artesanato e Gastronomia, no 1º e 2º fim-de-semana de Julho. Em Mação decorre ainda a Feira de Janeiro, no 3º Domingo de Janeiro e a Feira de Santo Aleixo, no 3º Domingo de Julho, e o Festival da Lampreia em fins de Fevereiro . Na Amêndoa a feira é no 1º Domingo Agosto; em Cardigos, no 2º Domingo da Quaresma e no 2º Domingo de Agosto; no Carvoeiro, no 3º Domingo de Agosto; e nos Envendos no 1º Domingo de Setembro.
Durante todo o Verão decorrem dezenas de festas organizadas pelas associações e colectividades de cada vila ou aldeia, as quais são sempre animadas pelos conjuntos de baile e pelos comes e bebes.
A Festa de Santa Maria é a maior e mais importante e ocorre, na sede, sempre no 1º fim-de-semana de Setembro em Mação.
A festa religiosa que acolhe um maior número de fiéis é a do Senhor dos Passos, em meados de Quaresma, em Mação. Importantes são também a Festa do Espírito Santo, em Cardigos, e a Festa de Santa Cruz, na Amêndoa, ambas no mês de Maio.

Tirado da pagina Web da Câmara Municipal de Mação
publicado por Bocas-Verdes às 23:05
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De MAPA SOBRE PONTOS DE INTERESSE HISTORICOS NO CONCELHO a 16 de Novembro de 2007 às 23:30
Só um problema porque a Camara não produz um mapa virtual no site da Camara apontando onde fica todos estes locais Históricos??? Isto para a pessoa e que não conhece e vem de fora um dia para visitar os nossos monumentos Históricos do CONCELHO. Como as CARAVANAS. Certamente que gostaria de ter uma rota virtual com fotos e Mapas em tres linguas que poderia consultar em qualquer lugar e a quaquer hora no seu computador. SOBRE PONTOS DE INTERESSE HISTORICOS NO CONCELHO. Isto era bom para o TURISMO RURAL.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30


.posts recentes

. Como pode ser um País gov...

. Os políticos Portugueses ...

. "VELHO DITADO" CADA PAÍS...

. CHAVEIRA DE CARDIGOS CONV...

. TENHO SAUDADES DA MINHA T...

. Região do eucaliptal"

. Quinhentos metros de estr...

. Vila de Rei rejeita reord...

. Irene Barata queixa-se qu...

. MUNICÍPIOS NATUREZA E TEJ...

.arquivos

. Novembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds